Ultimas

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Doméstica que defendeu Dado Dolabella em caso de agressão agora processa ator

Dado Dolabella demitiu a doméstica e ainda deve 
o pagamento de horas trabalhadas 
Foto: Reprodução/ Instagram
Uma ex-empregada doméstica que trabalhava com Dado Dolabella está movendo uma ação trabalhista contra o ator. Ela reclama que foi mandada embora sem receber 264 horas extras, além de cerca de R$ 1,2 mil referentes a dias trabalhados que não foram pagos. A ex-funcionária tem 55 anos e foi uma das testemunhas em favor do ator quando Dado foi acusado de agressão pela ex-mulher, Viviane Sarahyba, em 2010. Na ocasião, ela disse que Viviane a pressionou a escrever uma carta denunciando as agressões.

“Tinha um carinho grande por ele, mas me demitiu para colocar uma pessoa para ganhar a metade do que ganho, alegando que estava sem dinheiro para me pagar”, reclama Tânia Mara Netto, que ganhava cerca de R$ 1,5 mil. Tânia reclama que nunca teve a carteira assinada nem o INSS recolhido. “É importante para mim, para que possa me aposentar”. Dado, que ganhou R$ 1 milhão num reality show, alegou que passa por dificuldades desde que perdeu seu contrato na TV. Procurado pela Retratos da Vida, o ator não foi encontrado.

Mais notícias aqui

Em julho do ano passado, o advogado de Dado Dolabella, Michel Assef Filho, conseguiu anular a condenação de Dado por agressão a Luana Piovani. Em 2008, a atriz foi empurrada pelo ator numa boate e enquadrou seu ex-namorado na Lei Maria da Penha.

facebook

Na ação, Dado Dolabella foi condenado, em regime aberto, a dois anos e nove meses de prisão. Mas o ator recorreu e o tribunal considerou que a atriz não pode ser amparada pela Lei Maria da Penha, por não ser uma mulher “hipossuficiente nem vulnerável”.

Dois dias depois, Dado Dolabella usou as redes sociais para comentar o caso: "Avisem pra Renata Gandalf que se eu tivesse batido nela (Luana) como "ELA AFIRMA", ela, COM CERTEZA, não estaria na praia de biquíni poucas horas depois se beijando com seu atual ex Felipe Simão. Eu teria deixado marca! Pode ter certeza... Mas graças a Deus tenho minha consciência tranquila!!! Ela não tem uma marca!!! Veja o vídeo!! Ela cai de bêbada quando tenta me segurar cravando as unhas no meu braço!!! Sai pra lá! Agressão a mulher tem outro nome. COVARDIA. Isso você pode ter certeza que eu nunca fui!".

No mesmo caso ele foi condenado a pagar R$ 40 mil por agressão à camareira Esmeralda de Souza Honório, a dona Esmê. Foi ela quem tentou separar a briga entre ele e Luana Piovani, que foi sua principal testemunha no caso.

Por Extra


Postar um comentário

 
Copyright © 2013 jornal folha informa
Traduzido Por: Template Para Blogspot - Design by FBTemplates