Ultimas

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Deputado Federal Laudivio carvalho-MG quer assegurar direito do cidadão ter arma.

Parecer de Laudívio Carvalho Fotos / L Barbosa.

Parecer de Laudívio Carvalho sobre projeto que revoga estatuto do desarmamento será apresentado nesta quinta



Deputado Laudívio Carvalho, disse que o cidadão tem direito a portar arma para defesa pessoal e defendeu mudanças como a redução, de 25 para 21 anos, da idade mínima para compra de armas. O relatório deve ser apresentado hoje à comissão especia

O relator da proposta (PL 3722/12 e apensados) que revoga o Estatuto do Desarmamento (Lei 10.826/03), deputado Laudívio Carvalho (PMDB-MG), defendeu ontem o direito de o cidadão possuir arma para defesa própria.

Ele participou de videochat promovido pela Câmara. Carvalho defendeu mudanças no estatuto atual. Para ele, a lei é “muito dura” com quem quer comprar e portar uma arma. Amanhã, o relator vai apresentar o parecer ao projeto, que poderá ser votado na comissão especial no mesmo dia, em reunião que marcada para as 10h.

O relator considera o Projeto de Lei 3722/12 “muito bom, muito cuidadoso”. Entre outras medidas, a proposta facilita o porte de armas para o cidadão comum, reduz a idade mínima para comprar armas de 25 para 21 anos e descentraliza o procedimento de concessão do porte, que passaria a ser feito pelas polícias civis estaduais, e não mais pela Polícia Federal.

“A proposta vai ao encontro do que a sociedade quer”, avalia Laudívio. Ele não teme que a descentralização da concessão de porte de arma enfraqueça o controle sobre o fluxo de armas e munições, como argumentou, por exemplo, representante da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal, em audi- ência neste mês na Câmara. Conteúdo - O relator não quis detalhar as mudanças que promoverá no projeto original.

“Ainda estou debruçado sobre o relatório, passando pente fino”, observou. Ele receberá sugestões ao texto até amanhã. Carvalho adiantou apenas que o relatório vai prever de 12 a 20 anos de cadeia para todo aquele que for encontrado com arma de guerra ou de uso restrito das Forças Armadas. Além disso, questionado por internautas, disse acreditar que algumas categorias específicas devem ter direito ao porte de arma, como agentes de trânsito e aposentados das polícias e das Forças Armadas. O estatuto em vigor autoriza apenas policiais e outros profissionais da segurança e da Justiça a circular armados e exige renovação do registro de três em três anos.

O projeto torna o registro definitivo. Respondendo a pergunta de outro internauta, o deputado acrescentou que comunidades ribeirinhas têm necessidade de caça de subsistência e de defesa e, para isso, precisam de arma. “No nosso relatório, essa questão será olhada com carinho.” Conforme o relator, a ideia é resolver também questões como a de armas com registro vencido, a dificuldade para compra de armas importadas e a burocracia para compra de armas para a prática de tiro esportivo e paintball. Segundo Carvalho, o relatório também discutirá questões como o porte para testemunhas ameaçadas de morte. Despreparo - Respondendo a um internauta sobre o possível despreparo da população brasileira para lidar com armas, o deputado afirmou acreditar que os cidadãos estão, sim, preparados para esse uso. “As armas nas mãos de cidadãos do bem raramente são usadas para o mal”, opinou.

Laudívio Carvalho afirmou ainda que o “estatuto atual desarmou a população, mas os homicídios aumentaram”. Porém, em audiência na Câmara em junho deste ano, representante do Comitê Nacional de Vítimas de Violência citou números do Mapa da Violência para ressaltar queda no número de homicídios no Brasil depois que o estatuto entrou em vigor, em 2003. Para Carvalho, no entanto, faltam números e dados confiáveis sobre a violência no Brasil.



Por
jornal Câmara
Fotos / L Barbosa.


Postar um comentário

 
Copyright © 2013 jornal folha informa
Traduzido Por: Template Para Blogspot - Design by FBTemplates