Publicidade

Ferramentas da época da construção de Brasília são encontradas na laje do Congresso

Achados registram presença dos candangos que construíram a capital

Especialistas recolhem os itens encontrados na laje/Will Shutter / Câmara dos Deputados



Às vésperas do aniversário de 61 anos de Brasília, uma descoberta acidental revelou registros da saga da construção da capital federal. Trabalhadores que estavam executando uma obra de impermeabilização da laje do Salão Nobre da Câmara dos Deputados encontraram uma espécie de cápsula do tempo.

Diretor de Arquitetura da Câmara, Fábio Chamon considera que os achados podem compor uma arqueologia da história de Brasília e da Câmara dos Deputados. "Quando a gente rompeu a laje inferior, a gente encontrou ferramentas antigas que muito provavelmente são ferramentas originais da construção do Palácio do Congresso", revela.

Ferramentas e luva provavelmente foram deixadas por operários que construíram o prédio/Will Shutter / Câmara dos Deputados



A restauradora Mariana Onofri acredita que mesmo se tratando de objetos comuns aos operários, como luvas e marretas, os achados constituem patrimônio nacional. "Fazem parte da nossa história, da nossa memória como brasileiro, como cidadãos de Brasília." Ela também descreve a emoção de encontrar ao lado das ferramentas, a pegada de um candango. "Nossa, foi emocionante! Estar no mesmo lugar que estava uma pessoa que construiu Brasília."

Para Fábio Chamon, é o testemunho de que houve de fato a presença dos candangos na construção do prédio e da cidade. "Prova do espírito empreendedor e da capacidade criativa do povo brasileiro, a estrutura principal de Brasília foi erguida em apenas três anos", ressaltou.

61 anos de Brasília

Arquiteto e ex-servidor da Câmara, Maurício da Silva Matta lembra que a data de inauguração da capital, 21 de abril, está vinculada à conclusão da obra do Congresso Nacional. "Desde o início, isso estava muito claro para Juscelino, Niemeyer e Lúcio Costa. Eles queriam promover um grande salto no sentido da participação do povo nas decisões do País. Uma participação mais igualitária."

Fábio Chamon acredita que dentro da estrutura do Congresso pode haver outros elementos da construção ainda não descobertos. "É interessante notar que a construção se deu de uma forma muito rápida, por causa do cronograma desejado por JK. Então, alguns elementos ficaram pra trás e certamente entraram nessa espécie de cápsula do tempo."



Mensagens

Há dez anos, outra descoberta já registrava o ímpeto que inspirava os trabalhadores que ajudaram a construir Brasília e o desejo de que aquela obra representasse um futuro melhor para o País: quatro poesias inscritas em uma parede no subsolo.

Maurício da Silva Matta descreve a emoção da descoberta. "Descemos lá e havia quatro poesias. Uma delas me chamou muito a atenção. Foi feita por um operário chamado José Silva Guerra. Esse camarada escreveu, provavelmente na hora do almoço, porque nós encontramos ali um tubo de pasta de dente, uma marmita, algumas ferramentas ainda. Ele se sentou ali e escreveu o seguinte na parede com lápis de pedreiro: “Que os homens de amanhã que aqui vierem tenham compaixão dos nossos filhos. E que a lei se cumpra!”



Reportagem - Cid Queiroz
Edição - Geórgia Moraes
Fonte: Agência Câmara de Notícias
R. jornal folha informa

Postar um comentário

0 Comentários