Publicidade

Laudo indica que Patrícia Roberta foi morta por asfixia


Patrícia Roberta, de 22 anos, é de Caruaru (PE) e está desaparecida após vir visitar amigo em João Pessoa — Foto: Reprodução/TV Cabo Branco

Corpo de Patrícia Roberta foi encontrado no dia 27 de abril em uma região de mata. Suspeito do crime foi indiciado por feminicídio e ocultação de cadáver.

A jovem de 22 anos, Patrícia Roberta, foi morta por asfixia por esganadura, conforme resultado do laudo da causa da morte. Ela morreu há um mês, na Paraíba, quando saiu de Caruaru para visitar um amigo em João Pessoa. Identificado como Jonathan Henrique, ele está preso suspeito do crime. O corpo dela foi encontrado no dia 27 de abril em uma região de mata no bairro Novo Geisel, próximo a casa de Jonathan.

"Ela tentou se defender, mas não conseguiu. Tenho plena certeza e confinaça na Justiça da Paraíba e todos que estão envolvidos na investigação, que ele vai ser condenado e pegar pena máxima. Não vai trazer minha vida de volta, mas vai deixar esse elemento fora de circulação por muito tempo", declarou o pai de Patrícia Roberta, Paulo Roberto.

Patrícia, que é de Caruaru, veio a João Pessoa a convite de Jonathan. Eles se conheciam há cerca de 10 anos, de acordo com a Polícia Civil. Eles teriam estudado juntos em Caruaru, onde Jonathan chegou a morar.

De acordo com delegada Emília Ferraz, Patrícia confidenciou a uma prima que estava conversando com um "antigo namoradinho". Na quinta-feira (22), ela disse à prima que Jonathan a chamou para passar o fim de semana na casa dele, para que ela conhecesse João Pessoa.

Patrícia fez sua primeira viagem interestadual. Chegou em João Pessoa na manhã de sexta-feira (23). Jonathan teria combinado de ir buscá-la, mas não foi e disponibilizou um carro por aplicativo para levá-la até a sua casa.

Jonathan Henrique é suspeito de matar Patrícia Roberta, em João Pessoa/ Foto: Walter Paparazzo/G1

No sábado (24), Jonathan deixou Patrícia trancada no apartamento, dizendo que precisava resolver uma "situação". Por chamada de vídeo com a mãe, Patrícia disse que estava triste porque eles teriam combinado de passear.


Segundo as trocas de mensagens com a mãe, Jonathan só chegou no domingo (25) no apartamento. Patrícia avisa que Jonathan chegou e que os dois iriam juntos para Caruaru. A mãe de Patrícia, Vera Lúcia, não conseguiu mais falar com a filha.

A família de Patrícia veio para a João Pessoa e registrou o desaparecimento da jovem na noite de segunda-feira (26). As polícias Civil e Militar iniciaram as buscas por Patrícia.

Os policiais foram até onde Jonathan morava, em Gramame. Na madrugada de terça-feira (27), uma testemunha contou que viu Jonathan com algo que seria um corpo enrolado em um tapete. A partir daí, a polícia iniciou as buscas por Jonathan e por esse possível corpo.

O corpo de Patrícia foi encontrado em uma mata no Novo Geisel, nas imediações de onde Jonathan morava, na tarde de terça-feira.

Corpo de Patrícia foi encontrado na tarde desta terça-feira (27) em mata, em João Pessoa — Foto: Walter Paparazzo/G1

"Como eu queria que minha filha tivesse aqui comigo nos meus braços, que eu tivesse encontrado ela abusada, machucada, mas estaria nos meus braços com vida. Nem isso me deram esse direito. Então eu só posso esperar justiça", desabafa o pai de Patrícia.


A Polícia Civil indiciou Jonathan pelo feminicídio e pela ocultação de cadáver da jovem Patrícia Roberta. Ele está detido no Presídio do Róger, em João Pessoa. A namorada dele, Ivyna Oliveira, também foi indiciada por ocultação de cadáver.

Procurado pelo G1, o advogado de Jonathan, Rafael Garziera disse que não há uma posição sobre o indiciamento porque até hoje a Polícia Civil não concedeu à defesa o acesso à perícia. "Ficamos de mãos atadas para manifestar e traçar uma estratégia principal porque a polícia não juntou a perícia aos autos do processo que temos acesso, não sei se propositalmente ou por não terem concluído, mas vamos tomar uma medida legal para que acelerem isso ou criem uma outra alternativa", afirmou.

O advogado de Ivyna Oliveira, namorada de Jonathan, disse que "ela nega veementemente a acusação e diz que esteve com o Jonathan durante o final de semana, e que em nenhum momento havia nada suspeito na casa relacionado à Patrícia", disse Gustavo Botto.


Por G1 PB
R. jornal folha informa

Postar um comentário

0 Comentários